/* Excluido depois do Upgrade do Google em 25 de Outubro de 2009 Fim da exclusao */

quarta-feira, outubro 29, 2008

ENTENDA O INÍCIO DA CRI$E NORTE-AMERICANA/MUNDO
A crise que afeta o mercado financeiro nos Estados Unidos e arrasta os negócios no mundo todo tem o foco na saúde do sistema bancário norte-americano. A origem do problema são as hipotecas. Com o baixo juro nos EUA - praticados entre 2001 e meados de 2004 - e as boas condições de financiamento, muitas pessoas compraram imóveis e se endividaram.
Mas o juro subiu, a economia desaqueceu e a inadimplência aumentou. Os bancos que emprestaram dinheiro começam a mostrar o rombo. Além disso, o preço dos imóveis caiu. Pagando uma prestação mais alta e com o valor do bem menor, os norte-americanos reduziram o consumo. Isso, não só afeta a economia norte-americana, como já está influenciando de forma negativa as economias no mundo todo. Um dos primeros reflexos
São observados nas oscilações que se verificam nas bolsas de valores dos mais distantes continentes do planeta. Claro, que gradativamente toda a economia mundial já começa a sentir o efeito dominó.
O Brasil atual, mesmo estando em condições melhores, com alto volume de reservas, não passará incólume diante desta grande crise, que já mostra os seus primeiros impactos na nossa economia, com a desorganização das finanças das famílias. Com a redução do crédito disponível nos EUA, pode haver redução no consumo e conseqüente recessão no país. Isso, certamente vai fazer com que os EUA comprem menos produtos do Brasil. Além disso, a menor liquidez no mercado global pode fazer com que os investidores prefiram investir em papéis de menor risco, como os do Tesouro dos EUA, tirando dinheiro de mercados emergentes como o brasileiro.
Acesse (à dir.) a Revist@-@R e o photolink

segunda-feira, outubro 27, 2008

A DESTRUIÇÃO DA AMAZÔNIA
Assentamento ou DESMATAMENTO ? A situação da Amazônia é cada vez mais preocupante e os estudos confirmam o risco crescente do que mais se teme: a destruição da floresta. O resultado do relatório ‘Os círculos viciosos da Amazônia: seca e fogo na estufa", revelou que a mudança climática e o desmatamento podem destruir ou pelo menos danificar gravemente 55% da mata até 2030. Ainda de acordo com o documento, o desmatamento da floresta (foto) pode liberar entre 55,5 e 96,9 bilhões de toneladas de dióxido de carbono nas próximas décadas, ou seja, o equivalente a mais de dois anos de emissões globais de gases do efeito estufa. Além disso, a destruição da área, segundo o boletim, eliminaria um dos principais estabilizadores do sistema climático global. O cientista Dan Nepstad, do centro de pesquisa Woods Hole, de Massachusetts, advertiu que “a importância da floresta amazônica para o clima global não pode ser minimizada”. Ele lembrou que a floresta “não só resfria a temperatura do mundo, mas é, ao mesmo tempo, uma fonte de água doce, de tal magnitude que poderia bastar para influir em algumas das grandes correntes oceânicas”. O texto estima que o aquecimento global reduzirá as chuvas na Amazônia em mais de 20% durante esse período. Isso provocaria um aumento em mais de dois graus centígrados nas temperaturas locais, e de até oito graus centígrados durante a segunda metade do século. O estudo revela as conseqüências dramáticas para o clima global e local bem como o impacto na vida das pessoas que moram na região. As tendências atuais de expansão da fronteira agropecuária, queimadas, secas e extração predatória de madeira estão entre os fatores apontados como principais percussores dos ciclos viciosos da Amazônia. Se as chuvas na região diminuírem em 10% no futuro, como têm antecipado os cientistas, outros 4% da floresta serão prejudicados pela seca, chegando a destruição a quase 60%. Segundo especialistas, se não houver um corte drástico nas emissões de gases do efeito estufa por parte dos países desenvolvidos, todos os esforços não serão suficientes para evitar a destruição da Amazônia. E a destruição da floresta vai tornar a sobrevivência da humanidade no planeta muito mais difícil.
Para conhecer o photolink e a Revist@--@r, é só linkar!

sexta-feira, outubro 24, 2008

CATARATAS DO IGUAÇU As Cataratas de Iguaçú) são uma reunião de quedas no Rio Iguaçu (Bacia do Paraná), localizam-se dentro do Parque Nacional do Iguaçu no Brasil e no Parque Nacional Iguazú na Argentina que, somados, correspondem a 250 mil hectares de floresta protegida.O Parque do lado argentino foi criado em 1934; e o brasileiro, em 1939, com o propósito de administrar e proteger o manancial de água que representa essa catarata e o conjunto do meio ambiente ao seu redor. Os parques tanto brasileiro como argentino passaram a ser considerados Patrimônio da Humanidade em 1984 e 1986. Historicamente, as Cataratas do Iguaçu foram descobertas em 1542 por Dom Álvar Núñes Cabeza de Vaca.
No lado esquerdo (desta foto), o Brasil; lado direito, a Argentina, no centro, A Garganta do Diabo. As cataratas têm cerca de 300 quedas, com altura superior a 70 metros ao longo de 2,7 km do Rio Iguaçu. A Garganta do Diabo (Garganta del Diablo), em forma de "U" com 150 metros de largura e 70 metros de altura é a maior de todas e marca os limites de Brasil e Argentina. A maioria das cataratas fica em território argentino, mas é do lado brasileiro que se tem a melhor vista.O nome Iguaçu vem das palavras da língua guarani y (água) e guaçu (grande). A lenda diz que a virgem Naipi havia sido escolhida para casar com o Deus M'Moy, mas apaixonou-se pelo índio Tarobá e este por ela. O casal apaixonado resolveu fugir antes que Naipi fosse entregue ao Deus e desceu o rio em uma canoa. Ao descobrir a fuga, o Deus M'Boy, na forma de uma cobra gigantesca, penetrou na terra e retorceu-se, criando um grande abismo onde precipitaram-se os fugitivos. Naipi foi transformada em uma pedra constantemente açoitada pelas águas e Tarobá em uma palmeira à beira do abismo, condenado a contemplar eternamente sua amada sem poder tocá-la.Curiosidades: A frase "Pobre Niágara" foi exclamada pela primeira-dama dos EUA, Eleanor Roosevelt, ao contemplar as Cataratas do Iguaçu fazendo uma comparação com as Cataratas do Niágara, em sua visita ao Brasil. Na época das cheias chegam a ser a 3ª maior do mundo em volume de água.
Como chegar?
>>>De avião - Há vôos diários partindo das principais capitais do país
>>>De carro - Vindo do Norte ou do Sul, acesso pela BR-116 até Curitiba e BR-277
>>>De ônibus - As empresas São Geraldo (0800-704-3496), Pluma (0800-646-0300) e Nova Integração (
http://novaintegracao.com.br) têm saídas das principais capitais do país.

sexta-feira, outubro 17, 2008

ASPEN - O POINT DA NEVE
TRÊS, DAS QUATRO MONTANHAS: Aspen (à esq.) Highlands (centro) e Buttermilk
Aspen, nos Estados Unidos, atrai número recorde de brasileiros e oferece diversas opções para quem não quer apenas esquiar. O Brasil é o terceiro país que mais envia turistas a Aspen.
A famosa estação de esqui de Aspen, no Colorado, Estados Unidos, é conhecida no mundo todo por seu complexo de quatro montanhas de neve sempre fofa: Aspen Mountain, Highlands e Snowmass (que não aparece na foto). É para lá que vão milhares de americanos e estrangeiros durante a temporada de inverno, de dezembro a abril.
PARAÍSO - A neve das montanhas de Aspen é do tipo powder, considerada a mais fofa e melhor para esquiar.
Mas, além de simplesmente esquiar e fazer snowboard, muitos turistas procuram essa pequena cidade de cerca de 10 mil habitantes, encravada no meio das Montonhas Rochosas, para aproveitar os bons restaurantes locais, os muitos bares que tocam todos os tipos de música e as lojas de grifes famosas.
E não é a toa que os brasileiros procuram a cidade. Além de esqui e snowboard, Aspen tem atividades diferentes das oferecidas por outras estações de esqui.
A rotina de Aspen começa cedo. As estações de esquiestão abertas ápenas entre as 9 e 15 hora. Com isso, a cidade fica praticamente vazia nesse período. É até dificil encontrar restaurantes abertos para o almoço, porque o usual é comer nos intervalos do esqui. A maioria dos estabelecimentos só funciona a partir das 17h. Depois de ficar metade da tarde na montanha, o costume é descansar um pouco no hotel e então sair para o jantar. Depois de jantar, o passo seguinte é sair para um drink ou para dançar. O The Red Onion é o bar mais antigo da cidade. Fundado em 1892. Em sua parede há um espaço reservado para apostasem times de futebol americano, rúgbi e hóquei no gelo. As oites são agitadas no Whiskey Rocks e o som fica por conta de bandas alternativas que se sucedem numa forma de karaokê. Enfim há de tudo para as pessoas de todas as atividades, inclusive intensa atividade cultural. Assim é Aspen!
Link (à dir.) a Revist@-@R e o photolink...

quinta-feira, outubro 16, 2008

Lima:
ONDE O PERU É MAIS PERU
Fotos: (1)- A bandeira tremula na Praça das Armas; (2) - O claustro da Igreja de São Francisco; (3) - O romântico Bar La Rosa Náutica; (4) Machu Pichu, uma das sete maravilhas do mundo moderno. A cidade sagrada dos Incas.Charme colonial, sítios arqueológicos e ceviches incríveis em meio a um trânsito insuportável. Lima é bem mais que uma escala rumo a Machu Pichu. O Peru não é um país, mas vários países, disse certa vez o escritor local (e político frustrado) Mario Vargas Llosa. E, se o Peru são vários países, Lima são muitas capitais.A cidade de 8 milhões de habitantes - um terço da população do país - é pulverizada, dividida em distritos administrativos autônomos, como Miraflores, Barranco, San Isidro. A (tentar) uni-los, um trânsito caótico, como nem em São Paulo você terá visto. Fundada como "Cidade dos Reis" em 1535 pelo conquistador espanhol Francisco Pizarro, Lima foi capital do vice-reino do Peru, crucial no Novo Mundo. Hoje é habitada por um povo simpático e mestiço. A cidade, que tem um péssimo sistema de transporte público, é tomada por taxistas buzinando a qualquer hora do dia e da noite para seduzir o passante. Se assusta pelo sua infra-estrutura (e pelas muitas casas sem telhado, já que raras vezes chove), mesmo assim, exala um charme literário e boêmio nas ruelas da região de Barranco e é também digna de ser considerada Patrimônio da Humanidade pelas construções espanholas do centro colonial.
Lima se revela de mil jeitos. Na salsa, o tempero crioulo, e num pisco sour à beira do Pacífico - ou nas ruínas de um sítio arqueológico em plena zona urbana. Lima se revela no cheiro dos frutos do mar, do mar, das cevicherias, das chifas (restaurantes chineses), dos restaurantes sofisticados de San Isidro. Nas cores, várias, que pipocam nos mercados de artesanato, nos drinques dos cafés e bares moderninhos, na banquinha da senhora que vende doces típicos na praça. E em sua gente. Nos surfistas, pranchas nas picapes, que vão pegar onda nas praias de pedra de Miraflores; nas garotas, jeans justíssimos, gingado latino, a caminho das calientes baladas num sábado à noite.Chegar à capital do Peru é sempre um susto. O confuso aeroporto de Callao, cidade colada à capital, uma Guarulhos de Lima, anuncia o pior dos mundos. Mulheres berram em casas de câmbio improvisadas, homens em bando oferecem transporte. Primeira dica: tome cuidado com os taxistas. Como boa parte deles é ilegal, não deixe sua bagagem no porta-malas do carro. A probabilidade de vê-la ir embora em velocidade é grande. Hotéis de Miraflores e Barranco oferecem serviço de traslado desde o aeroporto.
A partir de hoje, e em todas às 6as-feiras, o nosso blog será dedicado ao turismo nacional e internacional

quarta-feira, outubro 15, 2008

PLANETA TERRA EM FOCO (Dos colaboradores em Houston-TX, Bruno e Roberto Júnior)
(Confira estas imagens impressionantes registradas a bordo da Estação Espacial Internacional) A singularidade dos traços da cordilheira do Himalaia (na primeira foto) e o brilho da Lua cheia, posta sobre o contorno do planeta Terra. Esta é uma viagem que ultrapassa as barreiras da imaginação, em um vôo que vai além da superfície terrestre e do alcance da visão. Esta é apenas uma amostra do fantástico acervo fotográfico coletado pelo norte-americano Leroy Chiao. Entre outubro de 2004 e abril deste ano, esse astronauta comandou a décima tripulação instalada na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Durante esse período, Chiao pôde experimentar e se apaixonar por uma prática exercida há mais de 30 anos: a de fotografar nosso planeta do espaço. As imagens da Terra vista do espaço encantam e trazem luz ao olhar do astronauta, como revela o depoimento publicado no site da agência espacial norte-americana (Nasa). "Fotografar no espaço fez aflorar meu lado artístico”, afirma Chiao, que é engenheiro químico de formação. “A beleza da Terra foi inspiradora, tentei buscar novas saídas para capturar e expressar essa beleza.” Os registros fotográficos obtidos por Chiao chegam a 24 mil (uma média de mais de cem fotos por dia), e servem como base para estudos científicos em nosso planeta. Fenômenos meteorológicos, geográficos, obras da natureza e aquelas construídas pelo homem foram fotografados como parte de sua missão.
Fotografar nosso planeta é uma das atribuições dos astronautas da ISS, lançada em 2000. A estação gira em torno da Terra a 370 km de distância e serve como base para realização de experimentos que não podem ser feitos em terra firme. Muitos deles, buscam viabilizar a sobrevivência humana no espaço, em ambientes sem gravidade. O objetivo é um dia, é levar o homem ao planeta Marte e, quem sabe, mais longe.

terça-feira, outubro 14, 2008

Brasileiro bate recorde: a mais rápida volta ao mundo de moto

O brasileiro Rodrigo Fuúza, de Minas Gerais, (na foto, a caminho do Canadá), fez a mais rápida volta ao mundo de moto. Se loucura valesse medalha de ouro, o aventureiro profissional, esse mineiro seria mais um dos brasileiros a emocionar o país subindo no pódio e cantando o hino. Mas, mesmo sem direito a desfile em carro aberto na volta ao país, chega ao Brasil com um recorde e a sensação do dever cumprido. Ele entra para o Livro dos Recordes e para os registros da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) pela mais rápida volta ao mundo pelo Hemisfério Norte de moto. Foram 89 dias em cima de sua moto 250 cilindradas. O percurso foi de 36 mil quilômetros, incluindo 11 mil quilômetros nas difíceis paisagens siberianas, de Moscou a Vladivostok (na Rússia), percorrendo os seguintes países: Depois de partir Lisboa (Portugal), no dia 4 de junho se 2008, passou por Madrid e Zaragoza (Espanha), Marselha e Mônaco, (França), Vaticano e Veneza (Itália), Viena (Áustria), Praga (República Tcheca), Lodz e Varsóvia, (Polônia), Minsk (Bielo Rússia), Moscou, Gorky, Kazam, Kapysky, Petropavlovsky, Omsk, Novasebirsk, Bysky e Kosagage, (Rússia), Olgu e Waan Baatos (Mongólia), Dalong e Pequim (China, durante as Olimpíadas), Seul (Coréia do Sul), Pyongyang e Pusan (Coréia do Norte), Nagazaki, Hiroshima, Osaka e Tóquio (Japão), Vancouver (Canadá) e Chigago e Nova York (Estados Unidos), onde chegou no último dia 31 de agosto (dia Brasilian Day) .

"A viagem superou todas as minhas expectativas de dificuldades. A paisagem é muito bonita, mas é a mesma coisa, monótona, cansativa para quem está pilotando", conta Fiúza,em entrevista a UOL. "Achei que já tinha conhecido lugares inóspitos, mas nada se compara à Sibéria. Dos 11 mil quilômetros na Sibéria, três mil quilômetros foram de estrada de terra, o que dificultou bastante a vida do motoqueiro. "Foi a região mais complicada de todo o percurso."Entre os perrengues, Fiúza cita as placas em russo, e teve de comprar um mapa em russo, procurava o o próximo destino e desenhava o nome em um papel e colava no tanque da moto, para comparar os caracteres com os das placas (foto acima). Um destaque foi a receptividade do povo russo. "Tinham me dito para tomar cuidado com gangues, mas não tive problemas. Eles foram todos muito gente boa e ficavam curiosos com a minha passagem. "Mesmo com a barreira das línguas, já que ninguém por ali falava inglês, o mineiro até que conseguiu se comunicar, graças à vontade dos locais de quererem entender o forasteiro. Depois de ficar um dia em meio na estrada sem comer, até descobrir que casas sem qualquer identificação serviam refeições na estrada, Fiúza teve que se virar para explicar sua vontade. Depois de um tempo por ali, ele já entrava nas cozinhas para apontar exatamente o que queria. Desgaste psicológico e o cansaço foram os maiores perigos que eu enfrentei. "Quando você viaja de moto, você é o próprio carro. Quando eu parava à noite, depois de viajar das 7h às 23h, tinha que montar a barraca e dormir sujo, com terra no rosto", descreve. "Você só consegue se adaptar depois do momento que passa a não ligar pra mais nada. "Uma noite, ele teve que dormir na estrada, já que ficou sem gasolina a cerca de 40 km do posto. "Posto é modo de dizer. São bombas de gasolina nos quintais das pessoas. Você passa o dinheiro por um gavetinha e a pessoa libera a bomba. Por causa do frio, eles dão um jeito de não sair de casa. O diário de bordo de Fiúza e futuras informações sobre o lançamento do DVD da viagem estão no site do mineiro (http://www.rodrigofiuza.com.br/).
>>Acesse (à dir.) photolink

sábado, outubro 11, 2008

Matera: uma cidade diferente do que qualquer outra
Matera, em Basilicata (Itália), é uma vila formada por cavernas da era pré-histórica. Gerações posteriores acabaram ocupando essas habitações primitivas, que foram ampliadas com paredes novas e cobertas com telhas; 15.000 pesoas chegaram a morar no lugar. Classificada pela UNESCO como patrimônio da humanidade a ser transmitido às futuras gerações.
Matera do "Sassi" (na foto acima), é uma cidade, que apesar de aparentente mais moderna, na verdade foi totalmente calcada fora das pedras (na primeira foto). Procure observar no confronto das imagens tomando por base a igreja, que lhe assegura o titulo de a mais rara cidade ambiente do mundo! Fixada na encosta de um vale profundo, com cavernosos meandros e labirintos subterrâneos, Matera, esconde relíquias de um passado remoto, mas muito rico em cultura e história. Cavernas subterrâneas e arquiteturas estão ligadas por etapas esculpidas fora das falésias, rodeadas pelas muralhas delimitadoras, pequenas hortas e jardins cultivados sobre rochas, onde fecunda a força do mundo vegetal, revelando a sua potência máxima. Passeando pelas ruas da cidade subterrânea, as pessoas encontram antigos lugares de culto, usados para celebrações nas profundezas da terra sob a força do sol e da pedra. Para esta cidade medieval a monarquia trouxe nova seiva: Incontáveis eremitérios (lugares onde vivem pessoas solitárias), igrejas, como a da Madonna delle Croci (na foto ao lado) e basílicas. Algumas criptas estão decoradas com afrescos ainda bem conservados, muitos dos quais em estilo bizantino, construídos com a pedra branca da vizinha cidade de Vaglia. >>>Revist@-@r e photolink (à dir.) deste blog!

sexta-feira, outubro 10, 2008

Astronomia
Diretamente de Marte para você Há novidades sobre o planeta vermelho. Vamos conhecê-las?
Em Marte, existe água, assim como uma substância que, na Terra, é consumida por plantas e microrganismos (foto: Wikipedia)
Extra! Extra! As descobertas mais recentes feitas no planeta Marte comprovam: há água no solo marciano, além de uma substância que também existe aqui na Terra em alguns desertos. Em maio, pousou em Marte a sonda Phoenix: uma nave sem tripulação enviada pela agência espacial americana (Nasa). Em julho, em uma amostra de solo marciano coletada por ela, os cientistas descobriram água. Um achado importante, já que a água, em estado líquido, é essencial para a manutenção da vida em todas as formas que conhecemos na Terra. As descobertas, porém, não pararam por aí. Em agosto, sais de perclorato foram identificados no solo do planeta vermelho. Essa substância – que também está presente na Terra, em lugares como o deserto do Atacama, no Chile – é absorvida, em nosso planeta, como fonte de energia por organismos que vivem em condições extremas. “Algumas plantas, como cactos e arbustos, por exemplo, absorvem essa substância. Alguns microrganismos também consomem o perclorato no solo, que pode ser utilizado até em fogos de artifício e em combustível para foguetes”, conta Eder Cassola Molina, pesquisador do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, da Universidade de São Paulo. Análises de solo feitas pela sonda Phoenix trouxeram novidades a respeito do planeta vermelho (foto: Nasa). A localização de água e de sais de perclorato em amostras de solo marciano aumentou a curiosidade dos cientistas sobre a possibilidade de existência de vida no planeta vermelho. Sabe por quê? “Na busca por condições de vida extraterrestre, estas descobertas são muito importantes e podem reavivar a possibilidade da existência de algum tipo de vida em algum momento na história de outro planeta”, explica Eder Molina. As análises do solo marciano, porém, ainda não terminaram. Os cientistas responsáveis pela missão em Marte resolveram divulgar informações – como a descoberta do sal de perclorato – assim que as receberam, mesmo antes de confirmá-las por outros métodos de pesquisa. Uma maneira de fazer o público acompanhar passo a passo o desenvolvimento das descobertas científicas. Vale, porém, o alerta: as amostras do solo marciano analisadas são mais ou menos do tamanho de uma colher de café, coletadas de uma região específica onde a Phoenix pousou. Muito mais pode haver em outros locais. Por isso, as amostras não representam Marte por completo. Mas a missão continua e até lá outras novidades podem surgir. Portanto, fique atento às notícias sobre Marte!
Link (à dir.) o photoblog e a
Revist@--@R...
/* Atualizacao do Google Analytics em 25 de Outubro 2009 */