/* Excluido depois do Upgrade do Google em 25 de Outubro de 2009 Fim da exclusao */

sábado, novembro 28, 2009

--FS-- "Arquivos de um Repórter"

Cão não consegue dono por ser muito feio Um cãozinho chamado de ET e deixado por seu antigo dono em um canil do México, não consegue encontrar um novo lar porque é muito feio. No início, os funcionários do local acharam que o animal cheio de manchas estava sofrendo de uma infestação severa de pulgas, mas logo descobriram que ele era uma raça rara que valia centenas de libras, de acordo com reportagem do jornal britânico "The Sun".
Mas apesar de ser um dos 27 cães pelados mexicanos - que pessoas acreditam ter poderes de cura - na Inglarerra, o cãozinho ET não atraiu nenhum novo dono. "Quando o vi pela primeira vez, pensei 'Meu Deus, o que é isso?'", contou Dawn Fields, funcionária do canil, que acredita que o motivo da rejeição é puramente pela aparência de ET.
No próximo --FS-- têm mais novidades...

quarta-feira, novembro 25, 2009

As cidades perdidas da Amazônia
A floresta tropical amazônica não é tão selvagem quanto parece
Kuhikugu, conhecida pelos arqueólogos como sítio X11, é a maior cidade pré-colombiana já descoberta na região do Xingu na Amazônia. Abrigava mil pessoas ou mais e servia como o eixo central de uma rede de aldeias menores.
Quando o Brasil criou o Parque Indígena do Xingu em 1961, a reserva estava longe da civilização moderna, aninhada bem no limite ao sul da enorme floresta amazônica. Em 1992, na primeira vez em que fui morar com os cuicuro, uma das principais tribos indígenas da reserva, as fronteiras do parque ainda ficavam dentro da mata densa, pouco mais que linhas sobre um mapa. Hoje o parque está cercado de retalhos de terras cultivadas, com as fronteiras frequentemente delimitadas por um muro de árvores. Para muitos forasteiros, essa barreira de torres verdes é um portal como os enormes portões do Parque Jurássico, separando o presente: o dinâmico mundo moderno de áreas cultivadas com soja, sistemas de irrigação e enormes caminhões de carga; do passado: um mundo atemporal da Natureza e de sociedade primordiais.Muito antes de se tornar o palco central na crise mundial do meio ambiente como a gigantesca joia verde da ecologia global, a Amazônia mantinha um lugar especial no imaginário ocidental. A mera menção de seu nome evoca imagens de selva repleta de vegetação respingando água, de vida silvestre misteriosa, colorida e com frequência perigosa, de um entremeado de rios com infinitos meandros e de tribos da Idade da Pedra. Para os ocidentais, os povos da Amazônia são sociedades extremamente simples, pequenas tribos que mal sobrevivem com o que a Natureza lhes oferece. Têm conhecimento complexo sobre o mundo natural, mas lhes faltam os atributos da civilização: o governo centralizado, os agrupamentos urbanos e a produção econômica além da subsistência. Em 1690, John Locke proclamou as famosas palavras: “No início todo o mundo era a América”. Mais de três séculos depois, a Amazônia ainda arrebata o imaginário popular como a Natureza em sua forma mais pura, e como lar de povos aborígines que, nas palavras de Sean Woods, editor da revista Rolling Stone, em outubro de 2007, preservam “um estilo de vida inalterado desde o primórdio dos tempos”.A aparência pode ser enganosa. Escondidos sob as copas das árvores da floresta estão os resquícios de uma complexa sociedade pré-colombiana. Trabalhando com os cuicuro, escavei uma rede de cidades, aldeias e estradas ancestrais que já sustentou uma população talvez 20 vezes maior em tamanho que a atual. Áreas enormes de floresta cobriam os povoados antigos, seus jardins, campos cultivados e pomares que caíram em desuso quando as epidemias trazidas pelos exploradores e colonizadores europeus dizimaram as populações nativas. A rica biodiversidade da região refl ete a intervenção humana do passado. Ao desenvolverem uma variedade de técnicas de uso da terra, de enriquecimento do solo e de longos ciclos de rotatividade de culturas, os ancestrais dos cuicuro proliferaram na Amazônia, apesar de seu solo natural infértil. Suas conquistas poderiam atestar esforços para reconciliar as metas ambientais e de desenvolvimento dessa região e de outras partes da Amazônia.

Michael J. Heckenberger vem fazendo pesquisas arqueológicas na região do Xingu e em outras partes da Amazônia brasileira desde 1992, mais recentemente como professor da Universidade da Florida

terça-feira, novembro 24, 2009

TEORIA DA EVOLUÇÃO EM XEQUE
A Teoria da Evolução, apresentada por Charles Darwin, no século 19, segundo a qual a espécie humana teria evoluído dos macacos, corre o risco de cair por terra. Foi identificada recentemente uma evolução paralela entre homens e primatas. O estudo foi apresentado por pesquisadores coordenados pelo cientista norte-americano Tim White, do Centro de Pesquisa Sobre Evolução Humana da Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, e publicado na edição de 2 de outubro último, da revista “Science”. Segundo informações divulgadas pelas agências de notícias internacionais “AP” e “AFP”, ao estudar o fóssil de uma fêmea da espécie Ardipithecus ramidus, de 4,4 milhões de anos, batizada pelos cientistas de “Ardi”, a equipe de White identificou características que não correspondem nem a humanos nem a macacos. Ele esclareceu que “a mão de
Ardi, inclusive, é mais primitiva que a de um chimpanzé”.
Cientistas concluem, em recente estudo, que homens e macacos podem ter evoluido paralelamente
O fóssil foi encontrado na Etiópia, no início dos anos 90. Durante cerca de 15 anos, os pesquisadores analisaram crânio, dentes, pélvis, mãos, pés e outros ossos. Darwin acreditava que ao ser encontrada uma espécie que fosse o elo perdido entre primatas e humanos, sua tese evolucionista seria comprovada. Desde então, cientistas buscam avidamente encontrar qualquer vestígio arqueológico que possa comprovar a teoria dele. A revelação deste estudo não chega a comprovar que Darwin estava errado, mas pode demonstrar que é pouco provável que ele estivesse certo.

segunda-feira, novembro 23, 2009

MÁQUINA DO TEMPO começa a operar na sua segunda tentativa.
Conheça um pouco desta máquina que pode esclarecer vários enígmas.
O acelerador de partículas do Laboratório Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN) deve ter sido acionada pela segunda vez neste final de semana. Apesar de um pequeno incidente causado semana passada, conforme informação de uma porta-voz do CERN para Agência Efe. "É que na terça-feira passada, "um pedaço de pão, que achamos que era levado por um pássaro, caiu sobre o transformador elétrico do acelerador".Isso provocou um curto-circuito no equipamento, que fica na superfície - ao contrário do acelerador em si, que está situado em um túnel circular de 27 quilômetros sob a fronteira entre França e Suíça -, causando o aquecimento de dois de seus setores. Além disso, o incidente provocou uma interrupção do sistema de resfriamento do acelerador de partículas, acrescentou a porta-voz, o qual destacou que os dois setores afetados já foram resfriados até sua temperatura operacional. Segundo porta-vozes do CERN, o incidente não alterou os planos para poder ser iniciado no último fim de semana, ou por volta da próxima semana, quando o Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), o maior acelerador de partículas já construído. O LHC ficou mais de um ano parado devido a uma grave avaria ocorrida dez dias depois de começar seus trabalhos em setembro de 2008. Após o vazamento do incidente do pedaço de pão, o CERN quis minimizar o ocorrido e lidou com a situação com bom humor.
Vamos saber mais sobre os objetivos da chamada máquina do tempo:
1º) Qual a origem da matéria? 2º) Do que é feito o universo? Para muitos cientistas, tentar decifrar inúmeras questões como estas pode ter uma resposta inusitada: "viajar no tempo"! Mas vamos explicar melhor. Na verdade, com um projeto de tamanho estratosférico, digno das pesquisas envolvidas, o CERN (Organização Européia de Pesquisa Nuclear, construiu o LHC (Large Hadron Collider) ou o mais poderoso acelerador de partículas do mundo. Ou quem sabe, a máquina do tempo! Claro, não como vemos em filmes de ficção. A idéia é tentar recriar o que aconteceu no universo, uma fração de segundo após o Big Bang. Para tanto, chama-se este projeto de "A coisa mais complicada já construída pelo ser humano". Afinal, mesmo tendo sido iniciado em 1993 algo parecido no estado do Texas, foram escavados mais de 14 quilômetros de túneis, mas os americanos desistiram de encarar tamanha tarefa sozinhos.
Afinal, o que é essa máquina do tempo? De forma simplista, trata-se de uma impressionante estrutura embaixo da fronteira franco-suíça, perto de Genebra, e que é o maior e mais complexo instrumento científico do mundo. São 27 quilômetros de túneis (fotos 3 e 4), que visam colidir dois feixes de prótons a 99,9% da velocidade da luz. Esperam então os cientistas que se recrie situações que não existem desde o Big Bang, conseguindo assim um melhor entendimento do Universo. As forças liberadas serão capazes não só de distorcer o espaço (assim como a gravidade distorce o espaço ao redor da terra), mas também o tempo! Por isso, é comparada a uma máquina do tempo
Como cita a pesquisa publicada por Irina Arefieva e Igor Volovich: "...na relatividade geral, uma curva no espaço/tempo irá correr do passado para o futuro. Mas, em alguns espaços as curvas podem se encontrar gerando uma curva mais fechada, o que é interpretado como uma máquina do tempo - o que sugere a possibilidade de viagens no tempo". Dois prótons viajarão em direções opostas e colidirão em quatro pontos ao longo do caminho - replicando as condições do Big Bang " do plasma cósmico", um misterioso estado, quase líquido, que ocorreu antes dos quarks esfriarem suficientemente para permitir que átomos se formassem. O acelerador de partículas irá forçar os quarks a se separar e recriar o "plasma cósmico" original e reconstruir as condições do Big Bang. Será possível?! No gigantesco túnel, estão localizados 4 detectores do tamanho de edifícios (nas duas primeiras fotos).

terça-feira, novembro 17, 2009

População é contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte 210 milhões de metros cúbicos de terra e rocha precisam ser retirados para a construção da hidrelétrica. Na obra do Canal do Panamá, foram retirados 203 milhões de metros cúbicos. Fotos: (1) O Rio Xingu; (2) Local determinado para a construção da usina Belo Monte. Antes do recente apagão, vinha ganhando força a discussão sobre a necessidade e a viabilidade da instalação da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará, Região Norte do Brasil. O polêmico projeto é o maior do setor desde a construção de Itaipu, a usina binacional gigante, construída na fronteira entre Brasil e Paraguai nas, décadas de 1970 e 1980, durante a Ditadura Militar. O investimento necessário e as dificuldades técnicas para a construção de três pontos de represamento do rio são tão grandes que a obra tem sido comparada à abertura do Canal do Panamá, empreitada executada no começo do século passado que possibilitou a ligação do Oceano Pacífico com o Oceano Atlântico. Um trabalho colossal que demorou 10 anos para ser concluído e no qual morreram 25 mil operários de doenças tropicais como febre amarela e em acidentes. O projeto de Belo Monte conta com amplo apoio do Governo Federal e é considerado estratégico pelo Ministério de Minas e Energia para garantir energia suficiente para o crescimento do País e para manter afastado o fantasma de outros apagões energéticos no futuro. Em 29 de setembro último, durante o 6º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico, o ministro da pasta, Edison Lobão, reafirmou que o Governo pretende concluir até o fim do ano o leilão para construção da obra e lamentou a resistência e as críticas à instalação da usina. Entre os opositores estão desde procuradores do Ministério Público Federal até integrantes de movimentos sociais; desde acadêmicos e especialistas da área, índios que vivem em regiões próximas e que serão afetados pelas barragens. A principal reclamação é a maneira como foram conduzidas as audiências públicas e a velocidade com que foram emitidas as licenças ambientais. Os procuradores do Pará, Ubiratan Cazetta e Daniel Avelino, ajuizaram, em setembro, ação civil pública pedindo que sejam feitas novas consultas antes que o projeto seja encaminhado. Eles alegam que a população não teve como participar e que os debates realizados foram insuficientes considerada a dimensão da obra. Como as discussões foram concentradas nas cidades-sedes, milhares de pessoas que vivem em comunidades ribeirinhas acabaram excluídas. Além disso, aconteceram problemas nas audiências. Na de Belém, realizada em 15 de setembro, o teatro com capacidade para 480 lugares ficou lotado e dezenas de interessados acabaram impedidos de entrar pela Força Nacional de Segurança.
>>>Amanhã: O mais profundo mergulho da história...
Fonte: "FU"

sexta-feira, novembro 06, 2009

LIMITES DA PACIFICAÇÃO
Muros e muralhas fazem parte da história da humanidade construídos para separarem nações em conflito. Algumas destas construções incluem armadilhas para tanques, cercadas de campos minados e cercas de arame farpado. Também são guardadas por grupos militares e uma parte enterrada para evitar fugas através de buracos.
Muralha de Jericó: A mais antiga muralha na Palestina. Impedia o exército israelita de entrar em Canaã; Muro das Lamentações: o que sobrou do segundo templo reconstruído de Salomão depois que os judeus foram definitivamente expulsos pelos romanos da Palestina; Grande Muralha da China: (foto à dir.), começou a ser construída pelo imperador Qin durante a sua dinastia, para defender seu reino contra a pilhagem de tribos nômades; Muro de Berlim: durante 28 anos, de 1961 a 1989, a população de Berlim, ex-capital do Reich alemão, com mais de três milhões de pessoas, viu a cidade ser dividida por um imenso muro de 162 km de extensão; Muro de Marrocos: assim como as terras da Cisjordânia, o Saara Ocidental, no oeste africano, também é uma região em disputa. Com o fim da colonização espanhola, a região foi repartida entre Marrocos e Mauritânia. O exército marroquino avançou e construiu um muro de 1.500 km e 4 metros de altura, concluído em 1987; Muro da Cisjordânia: (foto à dir.), os israelenses começaram a construir, recentemente em 2002, entre Israel e Cisjordânia, um “muro de proteção” destinado a impedir ataques palestinos. Em torno de 360 km com mais de 4 metros de altura e feito de concreto dos mais resistentes, para impedir atentados com armas de médio porte (tanques e pequenos blindados); Muro dos Estados Unidos com o México: para tentar impedir a entrada ilegal no país, o governo norte-americano construiu um primeiro muro que isola a Califórnia do território mexicano; Muro Iraque-Arábia Saudita: a primeira fase da construção de um muro de 900 km ao longo da fronteira entre a Arábia Saudita e o Iraque ficará pronta este ano, segundo o Ministério do Interior saudita. O Iraque tem fronteiras com a Arábia Saudita, Kwait, Turquia, Irã, Jordânia e Síria; Muro de Belfat: Construído para separar a classe católica da protestante em Torrens, bairro de Belfast, capital da Irlanda do Norte.PERSEGUIÇÕES RELIGIOSASA intolerância religiosa tem originado, no seu estado mais extremo, perseguições, prisões ilegais, espancamentos, torturas, execução injustificada, negação de benefícios de direitos e liberdades civis e até guerras. Na Somália, cristãos vivem fugindo para não serem mortos por militantes do grupo Al Shabab (que luta por um governo de transições). Muitos já foram decapitados tendo como motivo a conversão do islamismo para o cristianismo. Há notícias anônimas de que cristãos encontrado com bíblias foram executados. No caso da Somália, sem que alguém consiga justificar tanta barbárie, há e não deveria jamais tal fato acontecer. Afinal, os islâmicos têm um líder: Maomé. Ao passo que Jesus Cristo é o guia espiritual da maioria das religiões ocidentais. Citamos a pouco, o Muro de Belfast, construído para separar católicos, de protestantes, mesmo havendo entre as facções um ponto em comum: ambas, são Cristãs.

terça-feira, novembro 03, 2009

VIAGEM AO CENTRO DA TERRANO CORAÇÃO DO PLANETA - Como sugere enredo e cena do filme "Viagem ao Centro da Terra", de 2008. Para a ciência, é um desafio que sugere a existência de água nas profundezas do planeta nascida de uma das aventuras fantásticas de Júlio Verne. Em Viagem ao Centro da Terra, o clássico de Júlio Verne, um grupo de aventureiros desce por uma fenda na crosta terrestre e encontra um mundo inteiramente novo, dentro de um espaço oco existente no centro do planeta. Nesse universo subterrâneo há ilhas, um oceano e até um sistema misterioso de iluminação. O francês Verne, que morreu em 1905, escreveu sobre viagens ao fundo do mar, à Lua e pelos ares muito antes que o submarino moderno, o foguete e o avião fossem inventados. Agora parece que ele também estava correto, pelo menos em parte, sobre a existência de um mar no interior da Terra. Um estudo produzido por cientistas da Universidade Estadual do Oregon, nos Estados Unidos, recentemenmte divulgado, sugere a existência de grandes quantidades de água entre 250 e 650 quilômetros abaixo da crosta terrestre. Não são lagos nem cascatas encantadoras como os da ficção científica de Verne. Mas, de qualquer forma, a pesquisa revela a presença de água em profundidades antes inimagináveis.
O objetivo dos oceanógrafos era fazer uma análise inédita da condutividade elétrica do manto terrestre, em profundidades que chegaram a 1 600 quilômetros. O manto é a camada viscosa, com quase 3 000 quilômetros de espessura, que separa a superfície do núcleo sólido da Terra. O estudo mediu a condutividade em 59 pontos do planeta. Percebeu-se então que em certas partes do manto a capacidade de conduzir energia é dez vezes maior do que em outras áreas. "É provável que haja água no interior das rochas, já que ela é um ótimo condutor de eletricidade", disse o geólogo americano Adam Schultz,um dos autores da pesquisa.
A explicação para a existência dessa umidade está relacionada ao movimento das placas tectônicas, os blocos rígidos que sustentam a superfície da Terra. As placas se moveram e se chocaram, separando os continentes, formando cordilheiras e áreas de subducção – quando uma placa empurra outra para baixo. A placa que afunda leva para as profundezas elementos da superfície, como a umidade e até mesmo água do mar. A água só é liberada se a placa tectônica derreter, formando o magma, as rochas incandescentes que alimentam vulcões. Se isso não acontecer, ela permanecerá entre as rochas.
No mapa-múndi criado pelos pesquisadores, as áreas que abrigariam água nas profundezas são justamente as repletas de vulcões e terremotos, como a costa oeste americana, o norte do Oceano Pacífico e o Japão. "Pensávamos que havia perto de um centésimo de água dentro das rochas do manto. Uma condutividade elétrica tão alta sugere que a quantidade de água possa ser dez vezes maior", diz o geofísico Marcelo Assumpção, da Universidade de São Paulo. Os pesquisadores não conseguem determinar o tamanho das porções de água nem a forma que ela teria. Mas, devido às elevadas pressão e temperatura, dificilmente permaneceria em forma líquida. A presença de água é a explicação mais fascinante para a alta condutividade dessas regiões, mas não é a única possível. O manto terrestre é uma mistura heterogênea de rochas pastosas, formada por minerais diferentes. Em áreas com maior presença de carbono, a condutividade elétrica é tão alta quanto em rochas úmidas. Como Júlio Verne mostrou, o centro da Terra é repleto de mistérios.

/* Atualizacao do Google Analytics em 25 de Outubro 2009 */