/* Excluido depois do Upgrade do Google em 25 de Outubro de 2009 Fim da exclusao */

quinta-feira, março 31, 2016

AR-DIÁRIO: "NASA E A REALIDADE DO MUNDO"

     NASA: MOSTRA O AR QUE RESPIRAMOS
Esta imagem multicolorida e de rara beleza, na realidade chega a ser preocupante, a medida que essas cores indicam que o nosso Planeta está poluído e com perspectivas muito preocupantes. Embora alguns dos fenômenos sejam naturais. Critica-se os países que mais poluem, vem tratando o assunto sem a atenção que ele impõem a todos nós: chefes de estado com poder de decisão nada decidem e muitas vezes sem a colaboração de muitos de nos, seus habitantes. Esta foto é da nossa casa, mas parece que isso  não sensibiliza a todos. O nosso planeta de há muito tem causado apreensão aos cientistas e as pessoas mais sensatas, enquanto outras parecem indiferentes como se o assunto nada tivessem a ver com elas, como velha piada. Dois passageiros de avião sentados lado a lado, quando o da janela fez um alerta: "Companheiro o motor está pegando fogo!" E o companheiro retruca": "E dai este avião é não e meu!" - Pois é, ao contrário da piada, o planeta terra tem tudo a ver com todos nós. As vezes, certos chefes de estado se portam com tanta indiferença que acabam preocupando muita gente sensata. Mas há que se considerar, que esses chefes enfrentam um planeta que em pouco tempo alcançou o alarmante número de sete bilhões de habitantes. Cada criança que nasce, vai precisar de cuidados, investimentos, mais alimentos, mais empregos, sem nos estendermos muito. Na foto de alta definição, que foi divulgada pela Nasa, mostra concentrações na atmosfera de poeira (vermelho), levantada da superfície pelo vento; de sal marinho (azul), carregado por ciclones; de fumaça (verde) produzidas por incêndios; e de partículas brancas, são de sulfato, emitidas por vulcões e combustíveis fósseis. Este o mundo que as novas gerações vão receber de nós.








quarta-feira, março 30, 2016

AR-DIÁRIO: "HOJE É DIA DE TURISMO"

CATARATA VITÓRIA A MAIOR DO MUNDO As Cataratas Vitória ou Quedas Vitória, são das mais espetaculares cataratas do mundo. Situam-se no Rio Zambeze , na fronteira entre a Zâmbia e Zimbábue. Têm cerca de 1,5 km de largura, e altura máxima de 128 m. David Livingstone, explorador escocês, foi o primeiro ocidental a vê-las em 17 de Novembro de 1855, e deu-lhes o nome em honra da rainha Vitória (Rainha do Reino Unido de 1837 a 1901); o nome local é Mosi-oa-Tunya, que quer dizer "fumo que troveja". Vitória faz parte da lista de Patrimônio Cultural da Humanidade mantida pela Unesco.

Em 1860, Livingstone voltou à zona das cataratas e fez um estudo detalhado. Também o explorador português Serpa Pinto as visitou, mas até que aquela área ficasse mais acessível, o que só ocorreu por volta de 1905 com a construção de uma via férrea, ocasião em que poucos ocidentais se aventuraram por lá. Hoje o número de visitantes anual ultrapassa os 300 milhares.

terça-feira, março 29, 2016

AR-DIÁRIO: "MUNDO ANIMAL"

ANIMAIS BIZARROS RECÉM DESCOBERTOS
Um peixe com dentes de vampiro, um sapo que soa como um grilo, estão entre as novas espécies descobertas na região do Grande Mekong, segundo o grupo ambientalista WWF. Isso significa que a cada semana são encontradas, em média, três novas espécies na região, que abrange Camboja, Laos, Mianmar, Tailândia, Vietnã e uma província no sul da China. "Este ritmo de descoberta é simplesmente impressionante em tempos modernos", disse o diretor de preservação da WWF no Mekong, Stuart Chapman. "A cada ano, o número de novas espécies sobe e, com ele, cresce também a responsabilidade de garantir que essa biodiversidade única seja preservada." Animais bizarros como o peixe-drácula (Danionella drácula), descoberto em um rio de Mianmar, mede até 1,7 centímetros e tem dentes que lembram os de um vampiro. (1a. foto)2- Entre as espécies descobertas, encontra-se  o único pássaro careca do Continente
3- O relatório da WWF diz que estas descobertas chamam atenção para a incrível biodiversidade da região do Mekong, mas também revelam a fragilidade dos diversos habitats locais. É na região do Mekong que vivem diversas espécies selvagens ameaçadas de extinção, como tigres, o elefante asiático e o boto do Mekong. "Precisamos proteger esses tesouros do mundo", disse Chapman. Outras descobertas interessantes, como esta cobra sem presas e sem veneno,
4- e este sapo que emite sons parecidos com os emitidos por um grilo

segunda-feira, março 28, 2016

AR-DIÁRIO: "NOVIDADES NO AR"

 ESTE é o menor AVIÃO DO MUNDO
Menores aviões do mundo são mais leves e mais curtos que um carro

Se você tem medo de turbulência ou sente uma certa claustrofobia em voos comerciais, imagine como deve ser viajar nos menores aviões tripulados que já foram construídos no mundo? Para se ter uma ideia, algumas dessas pequenas aeronaves podem ser até um décimo do tamanho de um Boeing 737, pesar menos de 100 kg (um carro popular tem de 900 a 1.000 kg) e terem um comprimento menor que um utilitário esportivo (que chega a 5m).
Geralmente, os pequenos aviões foram (e ainda são) construídos para fins militares, como o McDonnell XF-85,  ou para lazer, como o Cri-cri. Em alguns casos, eles são fruto de disputas para simplesmente mostrar quem consegue criar o menor avião do mundo, como este chamado de Pássaro Bebê (da foto) 
O resultado são modelos com velocidade e autonomia de voo reduzidos, mas com aparência bem “diferente'' da que estamos acostumados.

quinta-feira, março 24, 2016

AR-ESPECIAL:"SEGREDOS DO MAR MORTO"

NASA promete revelar segredos de 2 mil anos gravados nestes Pergaminhos 
Durante mais de 2 mil anos os textos sagrados conhecidos como Manuscritos do Mar Morto ficaram escondidos em montanhas de tom avermelhado. Há 66 anos, graças a uma ovelha perdida, foram descobertos importantes documentos, que continuam sendo estudados por centenas de especialistas do mundo inteiro. Agora, uma tecnologia desenvolvida pela Nasa (agência espacial norte-americana), pode ajudar a revelar novos segredos dos documentos que são considerados a maior descoberta arqueológica do século 20. Em um laboratório no complexo do Museu de Israel, em Jerusalém, especialistas em conservação fazem um trabalho de formiga. Eles tentam juntar milhares de fragmentos de páginas, comparando, uma a uma, aos tipos de escrita e de papel. “É um imenso quebra-cabeças”, diz Pnina Shor, arqueóloga do Departamento de Antiguidades de Israel, que chefia a seção dos pergaminhos. A nova tecnologia vai acelerar o trabalho e promete revelar trechos dos manuscritos que até hoje são desconhecidos. Muitas partes estão intactas. São capítulos inteiros do Velho Testamento, dos Dez Mandamentos, do Livro de Salmos e de outras escrituras sagradas. Mas muitas partes estão despedaçadas, com o texto desaparecendo por causa da ação do tempo e de anos de má conservação. 
A pesquisadora explica que as imagens digitalizadas podem ajudar a determinar quando os pergaminhos foram escritos e até quantos escribas participaram. Também será mais fácil observar a escrita da época e explicar como foram conservados por 2 mil anos. Outra vantagem da câmera da Nasa, segundo Pnina, é o armazenamento. “Todos os documentos digitalizados estarão disponíveis para sempre para quem quiser ver na Internet”, garante. Hoje, há uma exposição em Jerusalém e uma itinerante, que roda o mundo. Os Manuscritos do Mar Morto são o registro mais antigo do Velho Testamento encontrado até hoje e um relato dos tempos de Cristo. Mas ninguém sabe dizer com certeza porque os autores esconderam os textos em cavernas. Uma teoria afirma que eles guardaram as escrituras em jarras de barro e depois nas montanhas para preservá-las para o futuro, uma vez que acreditavam na possibilidade de guerras devastadoras. O Mar Morto (foto ao lado), visto do espaço, com áreas de extração de sal no sul, está nivelado a 400 metros abaixo do nível do mar. A superfície do Mar Morto é o ponto mais abaixo a céu aberto da terra. A água é nove vezes mais salgada do que outras, não permite a existência de nenhuma forma de vida marinha. No entanto, o excesso de sal, forma nas suas margens, paisagens de cenário único e espetacular.

quarta-feira, março 23, 2016

AR-DIÁRIO- "A FÚRIA DA NATUREZA"

Brasil indiferente, mesmo estando na rota dos tornados
Os tornados que atingem o Sul do Brasil e São Paulo nem de longe costumam surpreender os estudiosos do assunto. Apesar de não ser um evento meteorológico tão raro, não há no país sistemas de detecção e alerta para evitar a perda de vidas ou danos materiais.     Estudo do geógrafo Daniel Cândido mostra que tornados assolam sobretudo os quatro Estados mais ao sul. De 1990 a 2014, acredite, ocorreram 249 em todo o país. Por volta de 70% deles atingiram cidades de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo."E com a crescente urbanização, existe uma tendência de que mais tempestades, e tornados, sejam registrados na região", diz Cândido, doutor com o tema pela Unicamp. Apesar de Cândido defender que o Brasil tenha um sistema eficiente de detecção de tornados, isso não é um consenso entre os especialistas. O custo seria bilionário  (bem mais do que a construção arenas para a Copa). "É utópico", diz Alexandre de Aguiar, da Metsul, empresa privada de Porto Alegre. Um dos maiores especialistas em tornados do Brasil, Ernani Nascimento, da UFSM, também vai nessa linha. "O mais importante seria fazer um sistema eficiente contra deslizamentos e enchentes.                                             Para citar um exemplo recente, a cidade de Taquarituba, a (328 km de São Paulo). foi atingida por um furacão que passou com uma velocidade aproximada de 140 km/h, danificando cerca de 500 casas e indústrias em todo o município. Além de seis bairros, o centro da cidade também foi atingido. Duas pessoas morreram e 66 ficaram feridas, no total. O tornado ainda danificou a rede de eletricidade e de telefonia.

terça-feira, março 22, 2016

AR-DIÁRIO:"LIMITES LÓGICOS"

 
 Por que limites entre os estados dos EUA são retos? 
Porque os territórios dos Estados Unidos foram organizados para facilitar a política, a economia e a administração do país. A formação do território americano não seguiu barreiras naturais, como rios e cadeias de montanhas, comuns em outros países. Em vez disso, os estados americanos têm fronteiras "secas" e retas, para que as áreas sejam parecidas. Assim, os estados ficam mais iguais entre si e disputam investimentos das empresas de maneira mais equilibrada. Mesmo assim, o maior estado, o Alasca, é 540 vezes maior que Rhode Island, o menor.
CADA UM NO SEU QUADRADO

Divisão do território seguiu linhas retas
No período colonial, as 13 colônias já eram divididas em linhas retas. Com a independência do país, as colônias viraram estados e, em 1789, alguns deles cederam parte de sua área ao governo federal em pagamento por dívidas. Esses territórios, chamados de não organizados, eram administrados pelo governo federal enquanto não era definido o controle local.

No século 19, a região a oeste era dividida entre Espanha, França, áreas sem dono e os próprios EUA usando fronteiras naturais, como rios e montanhas. O rio Mississippi, por exemplo, separava o território de Indiana e a Louisiana, que foi comprada da França em 1803. Os limites passaram a ser montanhas Rochosas a oeste e o rio Vermelho ao sul.

Em 1821, um tratado assinado entre EUA e Espanha definiu as fronteiras mais a oeste. Mais uma vez, as divisões eram retas, facilitando a fiscalização e evitando conflitos entre as duas nações. As áreas com divisões mais tortas eram as que ainda não eram estados consolidados (ou seja, com governo local), mas, sim, territórios federais.

Na década de 1850, por meio de outro tratado, os EUA conquistaram o Oregon, que antes era administrado em conjunto com o Reino Unido. Além disso, com a independência do Texas e o fim da guerra com o México, mais terra veio para domínio americano. O país continuou sendo dividido em grandes quadrados de terra, separados apenas pelas montanhas Rochosas.
A partir de 1867 os EUA continuaram dividindo grandes blocos em quadrados menores. Em 1959, definiram o mapa comprando o Alasca da Rússia e incorporando o Havaí. Hoje, dos 50 estados, poucos escapam às fronteiras retas. As exceções são os estados por onde passam os rios Mississippi, Missouri e Ohio, e pontos como a fronteira entre Idaho e Montana, guiada pelas Rochosas

segunda-feira, março 21, 2016

AR-DIÁRIO: "AVIÃO É SEGURO MESMO?"

TRAGÉDIA AÉREA MATA UMA FAMÍLIA EM SÃO PAULO
(fonte Folha de S.Paulo)
Este blog que sempre proclama que o avião é o transporte mais seguro que existe. Mas em face a tantos acidentes que vem ocorrendo nos últimos tempos, já não se  tem a mesma certeza. Principalmente quando um acidente dizima toda uma família.
Este é o avião, prefixo PR-ZRA que decolou às 15h20 no Campo de Marte, no último sábado,  e caiu três minutos depois, numa residência na  altura do número 110 da Rua Frei Machado, no Jardim São Bento em São Paulo, bairro da Casa Verde. As causas do acidente ainda não foram divulgadas. 
O acidente matou o ex-presidente da mineradora Vale, Roger Agnelli, e outros familiares. Era um monomotor modelo CA-9 produzido pela empresa americana Comp Air. A Fiberprop, empresa brasileira responsável por comercializar os aviões da Comp Air no país, informa em seu site as especificidades do avião comprado por Roger Agnelli. É um avião feito inteiramente com fibra de carbono, "destinado principalmente ao transporte pessoal, com elevada velocidade de cruzeiro, grande carga útil, interior amplo e confortável, versátil e silencioso."
Sua turbina de 1.000 HP (ao nível do mar) possibilita velocidade de cruzeiro de 250 nós, mesmo com o trem de pouso fixo. Ainda segundo a empresa, a cabine, com largura de 1,37 metros, acomoda confortavelmente 8 pessoas (incluindo o piloto). No acidente que matou Agnelli, estavam a bordo sete familiares do empresário. Todas morreram.

domingo, março 20, 2016

AR-FIM DE SEMANA- "CURIOSIDADES"


ÔNIBUS TRANSITA POR TERRA E MAR
Os Splashtours são uma ótima maneira de conhecer a cidade de Rotterdam por terra e água. Os Splashtours envolvem um treinamento em que guia vai orientando  em terra e também quando o ônibus veleja sobre a  água, na travessia Amsterdã/Roterdã,  e  vice versa. Assim, você estará dentro de um ônibus conhecendo o centro as duas cidades e em um minuto, já está dobre as águas, ainda dentro do mesmo ônibus que se transforma numa espécie de barco, contrastando com o trânsito das ruas das duas cidades com os navios que trafegam em pleno canal  Se não tivesse nada mais, o Splashtour já seria a forma mais original para se descobrir Rotterdam. Pois Amsterdã como capital da Holanda, é uma visita além de agradável, também obrigatória !
                 

sexta-feira, março 18, 2016

EM DEZEMBRO COMEÇA O VOO MAIS LONGO DO MUNDO
O Boeing 777 da Qatar, inicia em dezembro, o voo entre Doha e Auckland, distantes 14.500 km
A disputa entre as companhias aéreas do Oriente Médio ganhou mais um capítulo nesta semana. A Qatar Airways confirmou o lançamento do voo entre Doha (capital do país) e Auckland, na Nova Zelândia a partir de 3 de dezembro. Seria algo corriqueiro não fosse esse o voo mais longo a ser operado por uma empresa aérea – nada menos que 14.539 km de distância. O anúncio foi feito pelo CEO da empresa, Akbar Al Baker, na abertura da ITB Berlin, maior feira de turismo do mundo.
Ele supera, assim, justamente o voo da Emirates que opera entre Dubai e Auckland, cuja distância é de 14.326 km, 213 km a menos, o suficiente para ir de São Paulo a Botucatu, no interior do estado. Para “azar” da Emirates, Dubai fica um pouco mais perto da cidade neozelandesa.                                                                                                      A Emirates iniciou o serviço direto entre as duas cidades em 1º de março. O avião da estreia foi o gigante A380, da Airbus, mas a rota é operada pelo Boeing 777-200LR, versão de longo alcance birreator, com 266 assentos.

quinta-feira, março 17, 2016

AR-DIÁRIO- "UM MUNDO DE RISCOS"

O VULCÃO MAIS ALTO DO MUNDO EM ATIVIDADE
A fotografia astronáutica acima foi adquirida em 9 de dezembro de 2015, com uma câmera digital Nikon D2Xs, usando lentes de 800 mm, e foi cedida pela tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS), através do Earth Observations Experiment and Image Science & Analysis Laboratory, Johnson Space Center. 
 O cume do Vulcão Llullaillaco, entre Argentina e Chile, na América do Sul, tem uma elevação de 6.739 metros (22,110 pés) acima do nível do mar, fazendo-o historicamente o mais alto vulcão ativo do Mundo. O atual estrato vulcão — um vulcão em formato de cone formado por sucessivas camadas e grossas correntes de lava e produtos da erupção, como cinzas e fragmentos de rocha – é construído em cima de um antigo vulcão. A última erupção do vulcão, com base nos registros históricos, ocorreu em 1877.
Esta detalhada fotografia astronáutica do Vulcão Llullaillaco ilustra uma característica vulcânica interessante, conhecida como coulée (alto da imagem). Coulées são formadas a partir de fluxos de lava altamente viscosos e grossos que fluem sobre uma superfície íngreme. Como elas fluem lentamente para baixo, o início do fluxo se resfria e forma uma série de sulcos paralelos orientados a 90 graus em direção do fluxo (algo similar na aparência as pregas de um acordeão). Os lados do fluxo também podem se resfriar mais rapidamente do que o centro, levando à formação de estruturas como paredes – conhecidas como diques de fluxo (centro da imagem). O Vulcão Llullaillaco também é um conhecido sítio arqueológico, onde restos mumificados de três crianças incas, sacrificaram ritualmente 500 anos atrás, foram descobertas no cume em 1999.

quarta-feira, março 16, 2016

AR-DIÁRIO: "O NOVO GIGANTE DO AR"


Misto de avião, helicóptero e dirigível, a maior aeronave do mundo está pronta para testes

Em breve, o Airlander 10 (foto), a maior aeronave do mundo, fará seu primeiro voo de teste. Ele ´e uma estranha mistura de dirigível, helicóptero e avião, o veículo decolará de Cardington, um vilarejo 70 km ao norte de Londres. O Airlander 10 tem 92 m de comprimento, 18 a mais que os maiores "gigantes" da aviação comercial, o Airbus 380 e o Boeing 747-8. 
 A autonomia Segundo a empresa, a aeronave é 70% mais "verde" que um típico avião de carga, mas a grande vantagem é a versatilidade: o Airlander 10, além de decolar verticalmente, pode pousar da mesma maneira em uma série de superfícies, inclusive a água.Isso poderia fazer dele um veículo bastante útil para transportar cargas para locais de difícil acesso, como zonas de desastres sem pistas de pouso. De acordo com o fabricante, o Airlander é capaz de suportar ventos de mais de 120 km/h quando está ancorado no solo. Com capacidade para transportar até 10 toneladas de carga e 48 passageiros, o Airlander promete também autonomia maior que a concorrência. Pode voar continuamente por até cinco dias a uma velocidade de 148 km/h e pode ser controlado por controle remoto. A aeronave contra com quatro motores movidos a diesel e uma estrutura inflada com gás hélio, o que resulta em um peso de 20 toneladas, menos de 10% de um Airbus 380, por exemplo. E seus custos também são uma fração em comparação com a concorrência: cerca de US$ 11 milhões - a maior parte deste valor veio de financiamentos do governo britânico e da União Europeia, mas uma campanha de financiamento coletivo arrecadou mais de US$ 3,3 milhões.
<O Airlander conta com um charme especial por ter sido construído no Hangar 1, em Cardington, as mesmas instalações em que foi produzido o primeiro dirigível do mundo, em 1918. Agora, a Hybrid Air Vehicles quer fabricar até 2021, pelo menos 10 unidades E isso inclui desafiar o que especialistas em transporte aéreo classificam como um tabu da indústria: em 1937, o mais famoso dirigível da época, o Hindenburg (foto: arquivo-AR), incendiou-se enquanto aterrissava em Nova Jersey, matando 35 pessoas. "O desastre matou a indústria", escreveu o historiador John Swinfield. O Airlander, porém, é inflado com hélio, um gás não inflamável, ao contrário do hidrogênio, que era usado pelo dirigíveis como o Hindenburg.
/* Atualizacao do Google Analytics em 25 de Outubro 2009 */