/* Excluido depois do Upgrade do Google em 25 de Outubro de 2009 Fim da exclusao */

sexta-feira, novembro 28, 2014

"O poder da criatividade

 Bosques suspensos de Milão. Serão  o futuro arquitetônico das grandes cidades?
O CONDOMÍNIO BOSQUE VERTICAL, está localizado numa zona vizinha ao centro histórico de Milão, norte da Itália, venceu o International Higharise Award - considerado o “prêmio Nobel“ da arquitetura dedicada aos arranha-céus - concedido pelo Museu de Arquitetura de Frankfurt, na Alemanha.As duas torres, com 80 e 112 metros de altura, nascem como dois gigantescos troncos de árvores. Os apartamentos surgem como "raízes “ para os ramos e os galhos, com suas folhas, flores e frutas. O projeto garante a simbiose possível entre o homem e a natureza, num ambiente hostil ao verde,ou seja,as metrópoles. 
Ele venceu 800 concorrentes de 17 países diferentes. Os critérios foram: inovação, sustentabilidade, fachada, qualidades internas e aspectos sociais ligados ao contexto urbano e à criação de um design pioneiro."Este é um projeto maravilhoso que confirma a grande necessidade do homem de ter o verde ao seu redor”, afirmaram  os ganhadores Stefano Boeri, Gianandrea Barreca e Giovanni la Varra. O trio, do Studio Boeri, foi além: ao elevar uma floresta aos céus, foi criada a habitação experimental. 
BIODIVERSIDADE: Os dois edifícios-protótipos levaram cinco anos para sair da planta. Foi necessária uma complexa e cara pesquisa para criar um sistema de irrigação – com a água do lençol freático, e principalmente, ancorar bem as árvores e evitar que as fortes correntes de vento, naquela altura, provocassem maiores riscos. “O morador não tem que regar as plantas. Uma central computadorizada se encarrega desta tarefa quando for preciso. As árvores foram presas numa espécie de rede de ferro saldada na estrutura. Elas são um bem comum e pertencem a todos”, afirma Stefano Boeri. O teto de cada torre possui um guindaste para facilitar a manutenção.Na realidade, as árvores fazem parte da estrutura do prédio, devido ao peso e ao posicionamento. E para a sua distribuição pelas quatro fachadas de cada torre, dentro de tanques especiais, foram feitos testes em duas galerias do vento: uma em Miami, nos EUA. RESUMO: As torres inauguram suma nova era arquitetônica.

quinta-feira, novembro 27, 2014

"A Ciência a serviço da saúde"

Os 10 vírus mais perigosos do mundo!                                                 O ebola pode ser aterrorizador, mas não é o vírus mais ameaçador que existe. Também não é o HIV. Confira abaixo a lista dos dez vírus mais nocivos
(1)- O vírus mais perigoso do mundo é o Marburg. Ele leva o nome de uma pequena cidade alemã, onde o vírus foi documentado pela primeira vez. O Marburg provoca febre hemorrágica e, assim como o ebola, causa convulsões e sangramentos das mucosas, da pele e dos órgãos. A taxa de mortalidade do vírus é de 90%.  (2)- Existem cinco tipos de ebola, cada um nomeado em homenagem a uma região ou país da África: Zaire, Sudão, Tai Forest, Bundibugyo e Reston. O mais mortal deles é o Zaire, com uma taxa de mortalidade de 90%. Este é o tipo de vírus que aflige atualmente os países da África Ocidental Guiné, Serra Leoa e Libéria. Os cientistas dizem que, provavelmente, morcegos trouxeram o vírus para as cidades. (3)- O termo hantavírus refere-se a diversos tipos de vírus. O nome vem de um rio onde os primeiros soldados americanos infectados pensaram ter contraído a doença, durante a Guerra da Coreia, em 1950. Os sintomas incluem doença pulmonar, febre e insuficiência renal. (4)- Os vários tipos de vírus da gripe aviária costumam causar pânico, o que talvez seja justificado pela taxa de mortalidade, que é de 70%. Mas o risco de contrair o vírus do tipo H5N1, um dos mais conhecidos, é muito baixo. O contágio só ocorre através do contato direto com aves. Acredita-se que isso explique por que a maioria dos casos ocorre na Ásia, onde muitas pessoas vivem próximas a galinhas. (5)- Uma enfermeira na Nigéria foi a primeira pessoa a ser infectada pelo vírus de Lassa. Ele é transmitido por roedores. Os casos podem ser endêmicos, ou seja, se o vírus ocorre numa região específica e pode voltar a ocorrer a qualquer momento por ali. Cientistas estimam que 15% dos roedores no oeste da África portem o vírus. (6)- O vírus Junin é associado à febre hemorrágica argentina. As pessoas infectadas apresentam inflamações nos tecidos, hemorragia e sepse – uma inflamação geral do organismo. O problema é que os sintomas parecem ser tão comuns que a doença raramente é detectada ou identificada à primeira vista. (7)- O vírus da Crimeia-Congo é transmitido por carrapatos. Ele é semelhante ao ebola e ao Marburg na forma como se desenvolve. Durante os primeiros dias de infecção, os doentes apresentam sangramentos na face, na boca e na faringe. (8)- O vírus Machupo está associado à febre hemorrágica boliviana. A infecção causa febre alta, acompanhada de fortes sangramentos. Ele desenvolve-se de maneira semelhante ao vírus Junin. O Machupo pode ser transmitido de humano para humano, e roedores frequentemente o portam. (9)- Cientistas descobriram o vírus da floresta de Kyansur na costa sudoeste da Índia em 1955. Ele é transmitido por carrapatos, mas supõe-se que ratos, aves e suínos também possam ser hospedeiros. As pessoas infectadas apresentam febre alta, fortes dores de cabeça e dores musculares, que podem causar hemorragias. (10)- A dengue é uma ameaça constante. Transmitida por mosquitos, a doença afeta entre 50 e 100 milhões de pessoas por ano. Apesar de atingir regiões turísticas como a Tailândia e a Índia, o vírus representa um problema sobretudo para os dois bilhões de habitantes que vivem nas áreas ameaçadas

quarta-feira, novembro 26, 2014

"Os efeitos nefastos do aquecimento"

 ÁRTICO O ECOSSISTEMA MAIS AFETADO PELO AQUECIMENTO GLOBAL 
Tão inocentes frente a Câmera humana. Tão inocentes frente a situação do degelo no Ártico
Diminuir o índice e CO2, no ar beneficia todo o ecossistema, da sobrevivência de animais à preservação da água. O mundo carece de água limpa. Segundo a ONU, duas em cada 10 pessoas, não tem acesso ao liquido potável de qualidade. Isso faz com que 80% das doenças em países em desenvolvimento sejam consequência de água contaminada. Até 2025, a previsão é que dois terços da população vivam em condições críticas de abastecimento, um caminho rápido para a eclosão de conflitos políticos e bélicos por fontes de recursos hídricos, segundo a Associação Global  Footprint Network, que cita em seu relatório que faz mais de 40 anos que a humanidade ultrapassou o limite daquilo que a Terra é capaz de suprir e cita a China e os EUA como responsáveis por 45% do dióxido de carbono jogado na atmosfera. AS PEGADAS DA DESTRUIÇÃO. Hoje, um ser humano necessita em média, de 2,7 hectares para se sustentar. Já estamos além do limite. Para continuar nessa toada a longo prazo seria necessário 1,6 planeta como a Terra. O maior ônus provém da emissão de CO2. Em 1961, a emissão de carbono na atmosfera já representava 36% da pegada ecológica global. Em 2010, saltou para 53%. DESOLADOR: O Ártico é o ecossistema mais afetado pelo aquecimento global: Espécies endêmicas, a exemplo do urso polar (foto) correm o risco de desaparecer com o aumento do degelo, evento destruidor do habitat. Na semana passada, sob uma Xangai (esfumaçada) China e Estados Unidos, os maiores poluidores do planeta, assinaram um acordo para reduzir a emissão de dióxido de carbono. Seria um reflexo dos recentes esforços da humanidade para quitar suas dividas com a natureza? Vamos esperar! 

terça-feira, novembro 25, 2014

"O revide da natureza"

Meteorologistas preveem futuro nefasto
Mil cientistas reunidos recentemente na I Conferência Mundial de Meteorologia alertam para mudanças irreversíveis no clima da Terra nas próximas décadas e suas consequências
Cena do filme "O dia depois de amanhã", ficção científica que trata de mudanças climáticas
Aumento das turbulências aéreas, temperaturas cada vez mais extremas e ondas gigantes nos mares: especialistas internacionais pintaram uma imagem apocalíptica do clima nas próximas décadas, em uma conferência mundial recentemente encerrada em Montreal. No evento da Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência da ONU, mil cientistas discutiram o futuro do clima na primeira Conferência Mundial de Meteorologia.                                                                    Quase 10 anos depois da entrada em vigor do Protocolo de Kyoto, que buscou reduzir as emissões de gases de efeito estufa, a pergunta não é mais se a Terra sofrerá com o fenômeno do aquecimento, mas como. “É algo irreversível e a população mundial continua aumentando. É preciso adaptação”, disse Jennifer Vanos, da universidade Texas Tech.Na primeira década do século 21, a temperatura média da superfície do planeta aumentou 0,47 grau Celsius. Um aumento de apenas 1 grau gera 7% mais vapor d’água e, como a evaporação é o motor da circulação das massas de ar na atmosfera, é possível prever a aceleração dos fenômenos meteorológicos. 
Os cenários usados pela comunidade científica estimam um aumento de 2 graus na temperatura média da Terra em 2050. “As nuvens se formarão mais facilmente e com maior rapidez, e os ventos serão mais fortes”, o que causará inundações repentinas, advertiu Simon Wang, da universidade do estado de Utah.Em termos gerais, segundo o cientista americano, a alta das temperaturas terá “um efeito amplificador sobre o clima como conhecemos atualmente”.                                                                          Os episódios de frio intenso, como o vórtice polar que castigou grande parte da América do Norte no inverno passado e já começaram neste inverno, serão mais marcados e extremos, assim como os de calor excessivo e os períodos de seca. Para os meteorologistas, o desafio agora será incorporar esta “força adicional” aos seus cada vez mais complexos modelos de previsão, disse Wang.                                        
Após semanas de cálculos, concluiu-se que as mudanças climáticas amplificarão a força das estreitas faixas de correntes de ar que giram ao redor do planeta. “Até 2025, passaremos o dobro do tempo (de voo) imersos nas turbulências”  
                                                                                                                       
/* Atualizacao do Google Analytics em 25 de Outubro 2009 */